Tem japonês na maloca

Assim não me causa estranheza quando atendo um indígena chamado Atilo Nakamura. Simpático, além da curiosidade de um… digamos assim… desnecessário masculino para Átila, o sobrenome japonês me chamou atenção.
– Meu pai é japonês “nascido no Japão, Doutor”.
Mas Átilo nasceu na comunidade mesmo. O olho puxado não o difere dos demais indígenas e quando pergunto se tem vontade de visitar a terra dos familiares, logo me responde.
– Não quero não. Eu sou é macuxi. E lá tem muito terremoto.

Surpresa mesmo tenho ao atender Siliankof.

Para mim este seria um nome adequado para uma vodka. Mas Siliankof não é nem mesmo russo. Ele também é indígena Macuxi, nascido e criado em Roraima. Fiquei surpreso com o nome, tão diferente e perguntei o significado. Me disse que não sabia. Desconversei, mas depois de um tempinho voltei ao assunto e ele explicou:
– Doutor, eu era Sidinei. Aí, quando era época de ir para a escola meu pai foi tirar meus documentos e quando voltou, eu não me chamava mais Sidinei.

Assim Sidinei virou Siliankof. Fácil assim.

11 02 Santa Maria (159)

Este post faz parte das Impressões Integrais 78

2 comentários Adicione o seu

  1. Lidia Pantoja disse:

    hahaha… ainda bem que me chamo Lídia! rsrsrss Simples assim…

  2. Daucy disse:

    Como gosto de ler seus escritos! Fatos, coisas tão interessantes de nosso amado BRASIL. Parabéns! Parabéns! Daucy

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s