Meu amigo, tuchaua da Aldeia Banco

Aldeia Banco (não tem dinheiro… Banco por causa do banco de areia que o rio faz aqui por trás). De repente escuto uma voz grossa: “Doutor, bem que o senhor disse que um dia ainda ia chegar por aqui!”. A alegria era nítida no rosto do tuchaua Constäncio, pai do Roenison, paciente do tempo que trabalhava na Casa de Saúde do Índio, que teve calazar, doença infecciosa grave e algumas vezes fatal. Já se vão quase quatro anos que saí de lá, mas ser lembrado por um trabalho feito sempre nos satisfaz. E é para isso que estou aqui. É isto que paga o preço de minha saudade.

12 05 (102)

Este post faz parte das Impressões Integrais 81

1 comentário Adicione o seu

  1. marta disse:

    Congrats, u deserve. Bjos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s