Rancho Kalunga–Vale a visita

Rancho Kalunga. Paramos para comer uma comidinha bem tradicional: salada, abobrinha, jiló, abóbora, beterraba, peixe, porquinho e frango. Pergunto que espécie de peixe é escuto: “tambaqui”. Surpreso, comento ligeiro que não imaginava encontrar tambaqui por ali e ela me responde: “Trazemos de fora. Os peixes daqui são muito pequenos”. Logo descubro que de fora também…

De cara gostei de Aramanaí

Uau! De cara gostei de Aramanaí. Cabanas de dois andares se acomodam suaves diante do rio que molha nossos pés enquanto petiscamos no andar de baixo. O andar de cima nos protege do sol e é ocupado pelos que querem pagar uma pequena taxa que garante mais sombra, uma linda vista e um pouco de…

Mais da culinária de Santarém

Viemos aqui para comer ou para ir as praias? Até tenho dúvidas, pois a culinária paraense é uma surpresa atrás da outra… Para a sobremesa nos perdemos entre biscotinhos beijo-de-moça de maracujá, doce de cupuaçu, castanhas caramelizadas… Difícil sobreviver e não engordar aqui. Especialmente quando descobrimos por indicação de amigos – os locais sempre sabem…

… do que provei – Araçá

O araçá é um parente da goiaba. Na verdade parece uma goiaba pequena, com interior branco. A consistência é um pouco mais firme e o gosto um pouco mais ácido, na verdade agridoce. Na região do lavrado é muito encontrado, e existem duas aldeias que tem o nome derivado da fruta: Araçá, no município de…

Impressões do que provei… Rambutan

Esta fruta vem lá da Malásia, mas se deu bem na floresta e hoje é produzida no Amazonas, sendo vendida até nos sinais de trânsito. O rambutan (Nephelium lappaceum) se parece muito com a lichia, mas tem a casca revestida de pequenos ouriços, que para mim sempre me lembram uma “lichia cabeluda”. O sabor é…

… dos refrigerantes da Guyana

A Guyana sempre nos surpreende com seus refrigerantes exóticos.De uma vez encontrei com três sabores únicos, para não dizer “bizarros”. – Big Red, em tradução literal “vermelhão” é comum por lá. Não sei de que é este sabor, mas acho que é corante puro, para encantar os olhos das crianças e apavorar os amantes da…

Caxiri na Cuia…

Festival de Motociclismo de Boa Vista. No palco, Pitty! O show é animal, e ela se comunica super bem com o público, até que… – Gente, é uma alegria estar aqui! – grita Pitty e o publico delira. – É a primeira vez que venho aqui, e é uma alegria estar em Rondônia. Silêncio na…

Comendo maniçoba no “Fundo de Quintal”

A placa está ali… escondidinha… e a gente segue pelo corredor por trás do portão… Na saída do Museu do Marajó, bateu fome e vim parar no “Fundo de Quintal”, restaurante da Dona Zezé, também funcionária do museu. Não sei se é sempre assim ou se dei sorte, mas o cardápio era: pirarucu, maniçoba e…

Impressões do que provei… Cozinhando Escondidinho. no Recife

Gente, pensem em uma comida nordestina! Tudo de bom, não? Sim, mas sempre pesado, dando aquela preguiça depois de comer… Diferente se você for no Cozinhando Escondidinho. Quem me levou foi o querido amigo Paulo Frias, com sua esposa Sara e sua filha Luisa, companhia agradabilíssima. O lugar é super simples, escondidinho mesmo. Não tem…

Mesa farta… mas cadê a damurida?

Antes de inspecionar as instalações é servido o almoço: peixe, carneiro, galinha caipira, legumes cozidos, feijão verde, salada – tudo plantado e criado ali. Sinto falta da tradicional damurida – o caldo de pimenta – e quando vou perguntar, escuto mais discurso: – Doutor, espero que estejam gostando do almoço, mas a damurida e o…