Alta´s Impressões 101–O Rio de Janeiro continua lindo

Sobrevoo a cidade enquanto penso que, por mais que a mídia nos apavore e os políticos sejam incompetentes e corruptos… o Rio de Janeiro continua lindo. Não falo por ter nascido aqui, pois o Rio é muito mais do que um espaço dos cariocas. É o cenário brasileiro por excelência, é o retrato que o mundo inteiro reconhece como Brasil e é bonito, muito bonito. Lógico que, daqui do alto não sinto os dramas e dores da violência que transpassa a cidade, mas vendo o Cristo Redentor de braços abertos para mim, tenho a esperança de dias melhores e a certeza de que está maravilha continuará sendo a cidade de todos os brasileiros.

IMG_20180324_084059193_BURST000_COVE[1]IMG_20180503_090240_thumb[2]

Centro do Rio. Em primeiro plano a Ilha Fiscal.

Nas ruas, ando esperto. Não dá para ser despreocupado, mas também não é necessário andar com medo. Como toda vez que me perco nas ruas do Centro – que nem sei se é tão central, já que é beijado pelo mar – me encanto mais com esta cidade repleta de segredos escondidos. Faço como Chico Cesar ensina em sua música: "caminho se conhece andando, então vez em quando é bom se perder". Me perco em ruas que mantém nomes de outros tempos, como já não se fazem mais. Rua da Alfândega,  do Mercado, da Assembléia,  do Ouvidor,  da Quitanda… nestas últimas ainda imagino quem ainda sabe o que é um ouvidor ou mesmo uma quitanda, comércio de nome tão sonoro quanto comum na minha infância.

IMG_20180503_101430_thumb[2]
Encontrei uma estátua do Barão de Mauá, escondida, em frente ao prédio da Associação Comercial. Fica lá dia e noite… nem tem medo de assaltos.
IMG_20180503_095632_thumb[13]

Com toda crise, o centro segue em reforma.

17 11 Museu MAR (14)_thumb[2]
Moderno e antigo. Sagrado e profano. Entre o mar e a montanha. Seguro e.. nem tanto… O Rio encanta com suas dicotomias.

Meu destino são os novos museus no antigo porto, hoje totalmente repaginado. Acho que esta é a maior herança da esquecível Copa e da inesquecível Olimpiada, que seguimos pagando, eu e você. Como não vou pelo caminho direto, acabo me deparando com uma igreja escondida: Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores. Mais de 250 anos de história espremidas em uma ruela estreita me surpreendem. Uma cúpula muito bonita e altares requintados. Não poderia ser menos elaborada uma igreja de mercadores.

IMG_20180503_100655_thumb[2]

Não estou dizendo… fica lá, escondidinha. Igreja da Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores.

IMG_20180503_101036481_thumb[12]
O interior é bem bonito.

Da história passada ao vislumbre do futuro. Ao longe, contra o céu azul ele parece um enorme esqueleto de baleia, desafiando a gravidade e convidando a aproximação. O Museu do Amanhã é assim, instigante desde o inicio. Por dentro as exposições interativas nos levam ao redor do planeta e para fora dele, nos fazem pensar em nossas heranças e em nosso compromisso em fazer do mundo um lugar melhor.

IMG_20180325_135525457_thumb[2]IMG_20180325_142442975_BURST001_thumb[2]
O Museu do Amanhã – Bem moderno e interativo. IMG_20180325_145917655_thumb[2]
IMG_20180325_145948713_thumb[3]

Fundo do Museu, de frente para a Baía da Guanabara.

O fundo do museu dá diretamente para a Baía de Guanabara. Aos poucos cresce nos olhos o Cisne Branco, um grande barco a vela que ancora com os alunos da Escola Naval, colorindo a paisagem com inúmeras bandeirinhas coloridas. Logo chegam outros navios-escolas do México, Uruguay e até mesmo da combalida Venezuela, orgulhosos com sua enorme bandeira desfraldada.

IMG_20180325_150021173_BURST001_thumb[4]

IMG_20180325_131852154_thumb[7]

Bem perto está o MAR, Museu de Arte do Rio, que também merece a visita. Confesso que ainda acho estranho ver uma gilete enfiada em uma barra de sabão ser considerada arte, mas tudo bem, isso serve para abrir nossa cabeça (o Museu, nao a gilete, esteja claro).

17 11 Museu MAR (30)_thumb[5]

Em vários salões, fotografias, pinturas e uma exposição sobre o legado indígena no Rio de Janeiro prenderam a atenção,  mas o mais legal esta do lado de fora. Uma instalação do Projeto Morrinho, em que uma favela é recriada usando tijolos pintados com todo cenário local: igrejas, academias, barracos, polícia e bocas, tudo… Criado por jovens moradores de uma favela nas Laranjeiras, o Projeto já rodou o mundo, e além de uma beleza diferente, eleva a auto-estima dos criadores e de toda comunidade.

17 11 Museu MAR (31)_thumb[2]17 11 Museu MAR (5)_thumb[2]17 11 Museu MAR (8)_thumb[2]

Sigo um pouco mais em uma região que há poucos anos atrás era pouco e mal frequentada, ignorada pelas autoridades e pela população. Crianças correm diante de enormes grafites coloridos, mostrando pessoas de diferentes povos. Antigos galpões, outrora depósitos, hoje são palco de um evento do SESC onde todos podem participar: voando em simuladores de asa delta, treinando esgrima, jogano sinuca humana (a mesa é o chão e no lugar de tacos usamos os pés) e muito mais.

17 11  SESC Atividades (2)_thumb[1]Esgima e simulador de asa delta (abaixo) no evento do SESC.
17 11 Centro do Rio  (24)_thumb[2]17 11 Centro do Rio  (10)_thumb[3]17 11 Centro do Rio  (5)_thumb[2]

Os grafites gigantes dos prédios antigos viraram atração turística.

Aqui ninguém pensa no Rio do noticiário, ninguém pensa em violência. Turistas passam com câmeras enormes.. e não são nem gringos. Um grupo de manifestantes marcha pelo direito da mulher e logo após um grupo evangélico caminha orando pela paz do Rio. Famílias, camelôs, policiais, estrangeiros… pessoas de todas origens e realidades sociais convivem no Rio que eu queria que se espalhasse por toda a cidade.

IMG_20180325_130252038_thumb[2]

A Pira Olímpica está lá, com a Igraja da Candelária ao fundo. Este é o legado e o Rio que queremos e merecemos.

— XX – XX – XX – XX

Agora estou em Niterói. Os cariocas costumam dizer que a coisa mais bonita em Niterói é a vista do Rio. Falam por inveja, mas mesmo que seja verdade, Niterói tem um cenário privilegiado, que mais ninguém tem.

IMG_20180504_143835_thumb[2]

Eu cresci aqui, na Praia de Icaraí. Todo dia jogava bola tendo o Cristo por testemunha, vendo o mar emoldurado pelo Pão de Açucar e pelos picos da Serra da Carioca. Eram outros tempos. Sem celular, sabíamos da hora de ir embora pela toalha vermelha pendurada na janela da sala.

IMG_20180328_101530361_thumb[2]

Foto da janela da mamãe… mas na época não tinha o prédio da esquerda.

Icaraí é uma praia moderna. Você encontra movimento de manhã a noite, seja nas areias ou na orla arborizada. A praia é ponto de encontro para quem quer correr, andar com seu cachorro, pedalar, fazer yoga, ginástica da terceira idade, se bronzear, jogar futevôlei, beach soccer, frescobol, levar seu bebê para brincar na areia, tomar uma água de coco ou, simplesmente ficar sentado apreciando a paisagem enquanto o sol se põe vagarosamente.

Nem tudo é perfeito. A modernidade veio acompanhada de uma triste contrapartida. A vista é linda, o cenário deslumbrante, mas a Baía da Guanabara continua poluída. Talvez você tenha notado que, dentre as atividades que os niteroienses fazem na praia, não listei nadar e mergulhar, que estão longe de serem as mais comuns, embora alguns corajosos ainda se arrisquem em suas águas castanhas.

IMG_20180326_123715755_thumb[2]IMG_20180504_125154562_BURST001_thumb[2]IMG_20180504_143245787_BURST000_COVER_TOP_thumb[3]

De cima para baixo: Pedra do Índio; Museu de Arte Contemporânea, projetado por Niemeyer, com Corcovado ao fundo e a vista de Icaraí.

— XX – XX – XX – XX

Hora de voltar para casa, Roraima me espera. Pego um Uber e aproveito para puxar papo com Alexandre, meu motorista no Uber. Pergunto como ele acha que está o Rio e ele me responde com sabedoria: "tirando a corrupção e a impunidade, está tudo ótimo. A bandidagem é consequência". Verdade. Mas como sou esperançoso, tenho certeza de que aos poucos vamos conseguindo modificar isso. E até lá, aconteça o que acontecer, algo não vai mudar… o Rio de Janeiro vai continuar lindo.