Eu e Paiakã

Aproveito para fotografar a aldeia e as crianças, que adoram se ver no LCD. Estava com vergonha de pedir autorização, mas foi simples e moderna. Durante o atendimento o cacique saiu e voltou me mandando ficar a vontande para que pudesse fotografar o atendimento. Depois se colocou a disposição até para uma foto juntos…sinal dos…

Andando na mata

Após o atendimento vou banhar. O rio tem água morna! Não quente como em Caldas Novas, mas suficiente para entrar sem hesitação (e quem me conhece sabe como tenho medo de água fria!!!). Desci um trecho de cerca de 300 metros. Logo a mata se fecha e escuto sons diferentes também dos que escutava no…

Na rede… noite longa

6:30h Estou ainda na rede ouvindo o canto dos pássaros. O cacique acabou de ligar a TV (a bateria) para ver o noticiário. As crianças brincam e o sol conquista a noite lentamente. A noite até que não foi tão terrível. Fui “atacado” sem dúvida, mas assim que coloquei a manga comprida e tapei o…

O segredo da pequena grande aldeia

Só tenho um medo. Pisei na bola, não trouxe repelente. Confesso que estou preocupado com isso, pois no aeroporto um cineasta que havia acabado de chegar da aldeia me fez a mesma pergunta do piloto: “Tem bastante repelente?”. Logo conheço toda a aldeia. Payakã me explica: “Eu já criei uma aldeia grande (Aukre). Já fui…

Uma aldeia diferente

Enquanto aguardo a chegada de Paiakã observo o que há ao meu redor. Todos fazem o mesmo e vem me olhar – eu sou a atração turística. Não é muita gente de fora que vem aqui. Médico é a primeira vez. Paiakã chega, me cumprimenta com muita simpatia e pede para aguardar, pois está “resolvendo…

Primeiras impressões do Rio Vermelho

Estou sentado sob um teto de palha esperando para consultar na pequena aldeia Rio Vermelho, a menor dos Kaiapó. Esta é a segunda aldeia Kaiapó que visito, e venho a ela antes das demais aldeias maiores porque aqui mora uma das principais lideranças indígenas nacionais, o cacique Paulinho Paiakã. A pista de aterrissagem é bem…

Impressões antigas dos Kaiapó – Introdução

Este texto foi escrito em 2006 e fala de uma das primeiras visitas que fiz as aldeias Kaiapó. Encontrei perdido em um caderno e resolvi digitá-lo e partilhar com vocês. Os Kaiapó vivem hoje uma situação delicada. Eram 11 aldeias fortes quando trabalhei com eles, até 2008. Hoje já são quase o dobro, conseqüência da…