O Canaimé assombra o lavrado

O canaimé assombra o lavrado. Se esconde atrás das moitas de caimbé, atravessa da Guyana mítica, onde o vizinho é o estranho e diferente – por isso ameaçador. Invade cada comunidade, e se marca alguém, que este se prepare. Chame pajés, peça a benção do padre, se concilie com a morte, que provavelmente não será…

Os “causos” de seu Antonio

Pergunto pelo tempo quando nasceu. Gosta de contar e lembra dos detalhes, como quando mudou da Aldeia Pacu porque estava sofrendo de tristeza com a morte da mãe. Foi tentar a vida na fazenda, no garimpo, por onde desse. Quando pergunto como era Boa Vista, ele responde: – Não tinha nem bicicleta, doutor! E a…

Assombração… A noite sempre assusta

Sem o barulho da cidade, a noite é muito mais barulhenta do que eu imaginava. Grilo, chuva, sapos. Um morcego passa voando, balançando as asas perto da barraca. Um pássaro canta ao longe. De repente passos. Passos? Aqui não é para ter ninguém. Agradeço o banquinho que bloqueia a porta. Desligo a lanterna para prestar…

O terrível bicho palheta

Na volta da cachoeira as crianças me explicam sobre os mitos locais. Além do Canaimé aqui tem o Bicho-Palheta. Perigoso ele ataca pelas costas. Dá um soco por trás que é certeiro. Estoura o coração e o cara morre. Ele tem este nome porque parece a palheta do boi.

Tuchaua animado na terra do Canaimé

Os adultos são diferentes, especialmente os homens. Quando estou montando minha barraca o tuchaua, chega de viagem: óculos amarelo, tenis estiloso, camisa nova, ainda com etiqueta do preço e um sorriso rasgado acompanhado de uma gargalhada estridente. Nos oferece caxiri, mostra a pista nova (o nosso foi o primeiro pouso), oferece caxiri novamente, conta que…