As modernidades desastrosas nas aldeias

Gisely, 15 anos, parece já ter escolhido o futuro. Piercing na sobrancelha, unhas coloridas, a menina é vaidosa. Estuda ali mesmo, adora as aulas na videoteca, mas reclama que a escola não tem internet, como em outras aldeias da região. Flores parabólicas se alimentam da energia dos postes, espalhando novelas, futebol e modas para a…