Impressões do que li… National Geographic – Jan 2014

Foi como reencontrar velhos amigos. A National Geographic de janeiro traz uma reportagem incrível sobre os Kaiapó, povo guerreiro e animado, com quem eu tive o privilégio de conviver por dois anos. Hoje os Kaiapó possuem terras indígenas cobrindo uma área maior do que o Estado de Pernambuco, onde fauna e flora estão preservados, apesar…

Uma super-dentista na saúde indígena

Minha amiga Flávia costuma dizer que um dos maiores privilégios do trabalho nas regiões mais distantes da Amazônia é conhecer um monte de gente interessante. São pessoas que abrem mão das suas rotinas, de seu conforto, da vida da cidade, para fazer um trabalho único, diferenciado, que por vezes consegue transformar não apenas uma pessoa,…

Moradores da área de Belo Monte ficam sem indenização

Eu prefiro manter meu brado de protesto que um lamento conformista. Gasto minha energia sem pena, pois esta é renovável de fato, como o rio, novo a cada instante. Crescimento a qualquer custo…. Para quem? Os beneficiados será os grandes de sempre, já desenvolvidos e ricos. As políticas para os menos favorecidos só surgem quando…

Vamos correr ao menos um pouquinho…

Ele conta de suas viagens e palestras pelo mundo, muitas juntas com o roqueiro Sting. Pergunto de que país gostou mais: " Japão.Todo mundo correndo. Até os mais velhos correm com suas pastas de trabalho. Aquilo me incomodou, mas depois perguntei porque eles corriam tanto. Ouvi que tinham muito trabalho a fazer e por isso…

Um indígena entre dois mundos

Payakan transita com facilidade entre dois mundos. Preserva tradições e aproveita a modernidade. Cedo falava via rádio com a filha sobre desbloqueio de cartão e a faculdade (ela estuda Relações Exteriores). Logo depois, ele, que anda pintado, emitia um grito agudo a beira do rio comunicando sua saída para a caça. As refeições são momentos…

Pescaria com o cacique

Payakan me convida para pescar. Fui e não me arrependi. Aprendi sobre frutos do cerrado, vi rastros de anta, tracajás (tartarugas de rio) boiando e poraquês (peixe-elétrico) subindo a tona. Mergulhei na Amazônia. De cada peixe pescado (um tucunaré e um trairão) Payakan tirava um pedaço de carne com gordura atrás da cabeça e devolvia…

Na margem do rio tinha um monte de borboletas…

Não reclamo do trabalho, só me incomoda a incerteza do avião. Atrasos,mudanças de rota, dificuldades de comunicação, são uma constante pior do que os mosquitos, dormir em rede, banhar no rio ou a ausência de banheiros. Esta parte para mim se assemelha ao bom e velho acampamento escoteiro, e eu, realmente gosto disso. Cozinha por…

Pescando a refeição

Final de tarde diante do Rio Vermelho. Payakan vem me perguntar sorridente se prefiro lanchar ou jantar. Além de educado é muito inteligente e simpático, sempre sorrindo. Me lembra muito o Sr. Kakeya e sinto saudade das conversas no sítio. Aliás, Payakan me conta que é muito amigo de um médico nissei, e que sempre…

Crianças Kaiapó

Pra quem não leu as primeiras impressões… os Kaiapó retiram cílios e sobrancelhas… e na época das festas ainda raspam o cabelo em triangulo, como a menina da segunda foto. Este post faz parte das Impressões Integrais 83