Adeus para a terra do Boi Gordo e da Terra sem Lei

“Eu tomo o rumo norte agora, eu já começo a caminhar, talvez um dia ainda volte baby, não precisa me esperar…” Estou preparando minha despedida do Sul do Pará, após dois anos de moradia nesta terra onde a justiça ainda é injusta, e onde o boi tem mais valor que o ser humano. Continuarei seguindo…