Vamos correr ao menos um pouquinho…

Ele conta de suas viagens e palestras pelo mundo, muitas juntas com o roqueiro Sting. Pergunto de que país gostou mais: " Japão.Todo mundo correndo. Até os mais velhos correm com suas pastas de trabalho. Aquilo me incomodou, mas depois perguntei porque eles corriam tanto. Ouvi que tinham muito trabalho a fazer e por isso…

Um indígena entre dois mundos

Payakan transita com facilidade entre dois mundos. Preserva tradições e aproveita a modernidade. Cedo falava via rádio com a filha sobre desbloqueio de cartão e a faculdade (ela estuda Relações Exteriores). Logo depois, ele, que anda pintado, emitia um grito agudo a beira do rio comunicando sua saída para a caça. As refeições são momentos…

Pescaria com o cacique

Payakan me convida para pescar. Fui e não me arrependi. Aprendi sobre frutos do cerrado, vi rastros de anta, tracajás (tartarugas de rio) boiando e poraquês (peixe-elétrico) subindo a tona. Mergulhei na Amazônia. De cada peixe pescado (um tucunaré e um trairão) Payakan tirava um pedaço de carne com gordura atrás da cabeça e devolvia…

Na margem do rio tinha um monte de borboletas…

Não reclamo do trabalho, só me incomoda a incerteza do avião. Atrasos,mudanças de rota, dificuldades de comunicação, são uma constante pior do que os mosquitos, dormir em rede, banhar no rio ou a ausência de banheiros. Esta parte para mim se assemelha ao bom e velho acampamento escoteiro, e eu, realmente gosto disso. Cozinha por…

Pescando a refeição

Final de tarde diante do Rio Vermelho. Payakan vem me perguntar sorridente se prefiro lanchar ou jantar. Além de educado é muito inteligente e simpático, sempre sorrindo. Me lembra muito o Sr. Kakeya e sinto saudade das conversas no sítio. Aliás, Payakan me conta que é muito amigo de um médico nissei, e que sempre…

Crianças Kaiapó

Pra quem não leu as primeiras impressões… os Kaiapó retiram cílios e sobrancelhas… e na época das festas ainda raspam o cabelo em triangulo, como a menina da segunda foto. Este post faz parte das Impressões Integrais 83

Chegando na aldeia Rio Vermelho

Da pista vejo uma cachoeira que deve ser majestosa na época de chuva, escorregando graciosa por um alto paredão. Um rapaz de cabelos longos presos em um rabo de cavalo chega com um carrinho de mão para transportar minha carga. Ele vem de calça sapatos sociais. Estranho em um mundo que sou recebido de bermuda…