Banho de Cachoeira no Samã

Fui o último a chegar. As crianças rapidamente tiraram a roupa e se jogaram no poço formado pela bela cachoeira. Lugar daqueles que faria sucesso no sul. Exceto por dois problemas… vamos a eles, pois até mesmo no paraíso a gente encontra dificuldades: Pense em uma água fria. Pensou? Pois é. Era mais. E eu…

O menino dos cajus

Para o banho recomendaram uma cachoeira. Vinte minutos na perna pelo lavrado. Muito bonito, com as crianças me acompanhando para pedir os “tiros” de cada pássaro, árvore ou pedra diferente. Eu fotografei mesmo foi o menino com os cajus. Este texto faz parte das Impressões Amazônicas 71

Dificuldades de falar na língua

Apesar do nome tradicional da comunidade por onde passa o rio de mesmo nome, ninguém fala mais a língua materna. Seu Nonato, que vem do Arai com a esposa e os filhos, comunidade distante cerca de uma hora “na pernada” explica. – Nem eu aprendi a língua Macuxi. Já tenho 44 anos. Quando fui para…

Fotografando no Samã

A comunidade é bem simples e pela primeira vez desde que estou em Roraima as crianças cercam minha máquina fotográfica. Eles se encantaram com a foto de um gavião e passaram a pedir para eu “atirar” em tudo. – Atira no gavião! Atira na pomba moura! Atira na mangueira! Atira no caimbé! Atira no passarim…

Chegando na Aldeia Samã

Aldeia Samã. Em Macuxi significa duro. Dureza chegar aqui em um vôo “sacudido” de cerca de uma hora. Deu até para marear.  Este texto faz parte das Impressões Amazônicas 71