Atrações de Rio Branco

As margens do rio uma centenária gameleira testemunha o presente vivo sem esquecer do passado, preservado no casario reformado que dá aspecto de túnel do tempo ao calçadão que percorro no final da tarde. Eu “batendo papo” com o poeta Juvenal Antunes. Uma de suas poesias mais famosas começa assim: ”Bendita sejas tu, preguiça amada,…

Casarão Chapuris e os Soldados da Borracha no Acre

Noite – O casarão centenário da Pousada Chapuris nos atrai. Se não encontramos vestígios dos antigos habitantes da região, os dizimados Xapuris, ao menos encontramos testemunhas do tempo da borracha. Nesta época migravam para cá milhares de nordestinos, principalmente cearenses, os “soldados da borracha”, que fugiam da fome e seca no nordeste em busca de…

A ferrovia do diabo – Madeira Mamoré

A floresta selvagem era repleta de perigos para os seringueiros, nordestinos que fugiram da morte pela seca para encontrá-la nas doenças tropicais. Malária, disenteria e febre amarela ceifaram a vida dos “soldados da borracha”, recrutados à custa de muita propaganda do governo e de sonhos dos cearenses. Cidadãos de todo o mundo, pseudo-construtores de uma…

Soldados da borracha

Adoro quando recebo comentários dos amigos a respeito dos textos. A Iracema e o Maurício lembram que estas palavras que comentei no último IA são todas originárias do Nordeste: mangar, inxirido, macaxeira, jerimum… Acho que é uma influência dos soldados da borracha, alguns dos importantes colonizadores da região. Para quem não lembra – acho que…